Passo-a-Passo para um Projeto Mais Eficiente a partir de um Bom Levantamento

Você sente que precisa otimizar seu processo de projeto no escritório para que ele seja mais assertivo? Acha que dá para o seu projeto ficar mais eficiente?

Você percebe na obra que não estava contando com muitos dos imprevistos que acabaram aparecendo?

Você sente que “poderia ter visto” isso antes de ir para o canteiro, mas pensa que não tem uma “bola de cristal”?

boranaobra_projeto

Se você é mais um dos que, como nós, já teve muitas surpresas negativas durante a execução de alguma obra cujo projeto seja de sua autoria, esse artigo vai te ajudar muito!

Descobrimos que uma das maneiras mais simples capaz de evitar problemas durante uma obra é um levantamento bem feito.

De maneira global, para entendermos o que significa o LEVANTAMENTO, vamos dividi-los em duas esferas: a macro e a micro. A esfera macro pode ser tratada como a escala do urbanismo, englobando as cidades, condomínios, praças, pequenas intervenções e loteamentos.

Seus dados são apresentados geralmente por cartografia, laudos diversos, relatórios de impacto ambiental, fotográfico (aéreo ou não), mapeamento de vias… Análises mais amplas e que, de maneira geral, são feitas por equipes especializadas, e não por um escritório de arquitetura de pequeno ou médio porte.

Em se tratando de PROJETOS DE ARQUITETURA, em suas mais diversas escalas, podemos destacar alguns elementos valiosos para amparo de nosso lançamento inicial de projeto como:

  • Laudos de sondagem

Realizado por empresa especializada, geralmente empresas que trabalham com execução de fundações.

Nos permite definir, por exemplo, se há como um subsolo ser utilizado, se existe algum tipo de impedimento natural como lençóis freáticos ou jazidas, e ainda, para os mais experientes e curiosos, já permite uma noção de tipo de fundação mais apropriada e os custos médios que isso pode implicar no seu projeto. Para uma análise de viabilidade econômica do projeto, esse item é fundamental!

  • Levantamento topográfico

Este traz todo o mapeamento do relevo, curvas de níveis – cujo afastamento entre elas deve ser solicitado pelo arquiteto a depender da escala do terreno e do objeto a ser construído –, assim como acidentes geográficos, nascentes, vegetações predominantes, árvores nativas, exóticas e/ou protegidas por lei.

  • Normas de construção locais

Antes de iniciar qualquer risco do projeto, busque todas as normas vigentes sobre o objeto em questão. Lembre-se de procurar a Prefeitura e qualquer outro órgão que seja competente sobre sua temática. Lembre-se que a responsabilidade em respeitar a legislação é uma questão de cidadania e ética profissional, além de te resguardar de problemas jurídicos que possam envolver seu projeto.

  • Medições locais

Essas medições, são mais conhecidas como “levantamento” propriamente dito, mas vale lembrar que o levantamento envolve também as outras etapas já citadas. Esse item, chamado “as built” em casos de edificações existentes, é o foco do nosso artigo, apesar de sabermos a importância e o valor de todos os anteriores!

Para quem não sabe, o termo “as built” vem do inglês, “como construído”, ou seja, é o serviço de arquitetura que envolve levantamento do que está construído ou do que é existente em um objeto contratual.

Muitas vezes, seu cliente, no ato de entrega de todos os documentos que ele possui referentes ao objeto, te entrega uma planta baixa do terreno, apartamento ou casa que, do ponto de vista dele e de alguns arquitetos até, é o suficiente para você trabalhar.

Nosso conselho é NUNCA confie em plantas que não saiba a procedência, e mesmo que saiba, pense bem!

Esse projeto foi feito antes ou depois do objeto construído? Sabemos o quanto pode ser cansativo tirar medidas, mesmo que seu equipamento seja da mais alta tecnologia – como as trenas eletrônicas que facilitaram bastante nossas vidas, principalmente em ambientes internos – mas você poderá se arrepender amargamente se preferir descobrir as “surpresas” depois que a obra já tiver sido iniciada.

Uma frase que costumamos dizer e nos lembrar no início de cada projeto é “não se ganha uma batalha sem ir à campo”, não é mesmo? Então não perca a oportunidade de conhecer bem o espaço seja um terreno vazio ou uma edificação existente. É de suma importância que se familiarize ao máximo com o local antes de começar seus primeiros riscos, inclusive.

boranaobra_mulher

Nesse artigo vamos usar como exemplo para levantamento um projeto de reforma, por ser hoje o nicho que mais temos desenvolvido em nosso escritório, mas certamente você consegue replicar essas estratégias pra muitos tipos de projetos e serviços que envolvam um levantamento, pois trata-se basicamente de mapear e planejar suas ações.

Vou listar alguns pontos que tem me ajudado bastante a minimizar os problemas durante obras de reforma e que tenho certeza que irá te ajudar também nas fases iniciais do seu projeto!

  1. Projetos de Arquitetura Existentes

Apesar de não se poder confiar totalmente nos Projetos de Arquitetura existentes sobre determinado objeto para o qual você foi contratado a desenvolver projeto de reforma, vale a pena tê-los em mãos como um balizador.

Sabe por que? Ter uma planta “base” impressa na hora de levantar as medidas existentes é um adianto enorme. Inclusive é bom para constatar se tenha sido feita alguma reforma, que chamo espontânea, ou seja, que partiu somente do proprietário do imóvel sem auxílio e documentação profissional.

Não significa, mais uma vez, que você usará esse projeto com uma “verdade absoluta”, pois é MUITO importante que você ou sua equipe confira “in loco” a situação atual.

Para te ajudar a se organizar durante um levantamento, segue uma lista de elementos que devem ser mapeados e locados em sua planta de “as built”:

  • Medições das paredes

Lembre-se de medir as paredes que vão até o teto, mas também aquelas mais baixas, como muretas, apoios de bancadas, etc.

  • Identificação de material das paredes existentes

Se é alvenaria convencional, bloco de concreto, drywall ou outra tipologia. Muitas vezes basta bater com as costas da mão, com um pouquinho de força, e identificar o barulho que esse impacto causa. O som “oco” geralmente implica em uma parede de drywall ou gesso acartonado. As demais, de materiais mais sólidos, são mais difíceis de identificar, para isso, vale consultar o proprietário, construtor e/ou os projetos antigos existentes.

  • Portas e Esquadrias

Não se esqueça de anotar altura dos peitoris, profundidade, tipos de materiais, e indicar sentido de aberturas.

  • Pés-direitos

Essa informação é crucial para desenvolvimento de um Projeto Executivo de Arquitetura. Não se esqueça de medir em todos os ambientes, pois nem sempre todos são iguais.

  • Elementos estruturais

Localize as vigas e pilares aparentes, tente identificar suas tipologias, seus materiais e suas modulações. Esse item é de suma importância em casos que não se tem disponíveis os projetos estruturais anteriores. Mapear os elementos estruturais é uma forma de identificar uma possível malha estrutural e minimizar as chances de projetar a demolição de uma parede aonde se encontra um pilar, por exemplo, causando retrabalho de projeto durante a obra. De quem seria a culpa?

  • Materiais e acabamentos

Identificar os tipos de pisos e revestimentos, bem como seus desníveis existentes.

  • Escadas e rampas

Uma boa estratégia para identificação dos níveis de uma edificação é medindo minuciosamente suas escadas e suas rampas. Muitas vezes, quando não se dispõem de equipamentos especializados para medir e calcular níveis, as escadas e rampas trabalham a seu favor.

Desse aspecto é bom ressaltar a importância em saber improvisar durante um levantamento. Não se iniba em calcular medidas usando o que tem em mãos, é melhor um levantamento completo improvisado a um levantamento incompleto justificado na falta de equipamentos, altura suficiente, etc. Use escadas, banquinhos, some medidas quando sua trena for menor que o espaço que tem que levantar, abuse de sua imaginação.

  1. Pontos de instalação

Nosso papel social como arquitetos envolve também uma responsabilidade de não desperdiçar, quando possível. Sejam recursos financeiros, materiais de construção e até mesmo tempo das pessoas envolvidas no processo de projeto, construção e vivência do espaço.

Com o intuito de reformar, otimizar o tempo e reduzir gastos desnecessários, uma maneira bastante racional é chegar a um projeto que preserve, o quanto possível, o existente. Uma boa estratégia é catalogar e mapear todos os pontos de instalações como:

  • Tomadas

Anotar tanto a locação em planta baixa quanto as alturas

  • Interruptores

Verificar os acendimentos

  • Pontos de ar condicionado

Nesse caso é bom identificar tanto o ponto de dreno, ponto elétrico quanto a tubulação de cobre. Para essa última, te aconselho a buscar um parceiro que analise a qualidade da instalação existente, para aproveitá-la ou não em seu projeto.

  • Pontos de água

Geladeira, filtro, máquinas de lavar, torneiras, duchas higiênicas e registros.

  • Pontos de iluminação

Se for laje, tenha BASTANTE atenção com essa locação, a não ser que pretenda fazer algum tipo de forro, mesmo assim é importante saber de onde alimenta cada luminária e seus respectivos acendimentos.

  • Pontos de esgoto

Vasos Sanitários, Ralos, Caixas de inspeção, Caixas de gordura, Pias, Máquinas de Lavar.

Ao final desse artigo, você poderá baixar gratuitamente um documento que te auxiliará bastante nos próximos projetos!

  1. Projetos Estruturais e Complementares

Os projetos estruturais e complementares (elétricos, hidro-sanitários, águas pluviais, automação, rede, ar condicionado e outros) GERALMENTE são respeitados e seguidos quase que em sua totalidade durante a execução.

Estes projetos confrontados com as plantas de layout existentes nos permitem propor novas soluções para o espaço a ser reformado, minimizando o risco de nos depararmos com algum pilar e/ou instalação indesejável durante as demolições, evitando retrabalho desnecessário.

boranaobra_computador

  1. Levantamento Fotográfico

Um bom levantamento fotográfico ajuda, e muito, a tirar possíveis dúvidas durante o processo de digitalização (desenho em computador) das informações obtidas em campo e durante o processo de projeto. Para isso tenha sempre em mãos uma boa câmera, ou até mesmo seu celular (lembre-se de usar as ferramentas que tem), com bastante espaço na memória (não economize nos ângulos!).

Registre cada informação que puder. Faça imagens panorâmicas, de detalhes, externas, internas. Fotografe tudo que puder. Crie um ritual para o levantamento.

No meu caso, gosto de fotografar enquanto vou desenhando o “as built” pois acho que fique fácil lembrar de onde era essa ou aquela foto, à medida que você se recorda da ordem em que fez a medição e desenho.

Veja como fica mais confortável para você ou para a sua equipe, mas NÃO DEIXE perder nenhum detalhe. Isso evita muitas idas desnecessárias para conferências de informações durante o projeto, pois geralmente, quando você já foi a um determinado local, ver uma foto surte quase o mesmo efeito, a depender do que está precisando conferir, e te economiza tempo e retrabalho.

Crie álbuns organizados nas pastas digitais e de preferência, como eu faço, salve-as todas em alguma plataforma nas “nuvens”, como Dropbox, GoogleDrive e afins.

  1. Entenda a Logística da Obra

Um aspecto muitas vezes negligenciado pelos arquitetos, falo por experiência própria, é a logística para execução da obra. Identificar os possíveis gargalos durante o processo de projeto vai te dar bastante propriedade e respaldo enquanto profissional.

  • Acessos para materiais

Quem nunca projetou uma bancada e na hora de tê-la entregue na obra, acabou percebendo que ela não entrava por lugar nenhum? Não passava na portaria, não dava “giro” para subir pela escada, não cabia no elevador ou não passava pela porta. Já vi casos de ter que contratar guindaste para subir a pedra pela janela. Talvez isso em se tratando de 2º ou até 3º pavimento seja “viável”, mas já pensou em subir uma pedra de mais de 400 kg para o, não tão distante, 6º andar de alguma edificação? Fora o perigo, o custo e o improviso. Nesse caso, não é legal improvisar, talvez, se essa bancada tivesse sido 15 cm menor, todo esse esforço (e esses custos) pudessem ter sido evitados! Portanto, lembre-se de analisar esse aspecto com bastante cautela.

  • Fornecedores mais próximos

Mais uma vez falo aqui sobre a responsabilidade social e papel de educador do arquiteto. Mapear empresas que estão nas proximidades da obra e trabalhar com materiais locais, fazendo referência a Arquitetura Vernacular, é algo que deve ser lembrado no dia-a-dia profissional e reflete sua seriedade e comprometimento enquanto arquiteto.

  • Logística de Entrega e Horários

Verifique como que funcionam as regras de execução do objeto a ser projetado, entenda se existem horários especiais, restrições de tamanho de caminhão para entrega, quantidade de homens para trabalhar, etc. Identifique as peculiaridades. Converse com síndicos, pessoas e vizinhos que tenham feito obras recentemente e com o próprio proprietário.

  • Mão de obra disponível

Infelizmente certos materiais e tecnologias ainda não são acessíveis em nosso país. Identifique o que é mais usual e veja se consegue tirar proveito para seu projeto. O novo é sempre louvável, porém, em se tratando de obra, lembrar com qual mão-de-obra você irá lidar. Esse item te protege (e protege seu cliente) de possíveis frustrações. Não tenha medo de ousar, mas providencie subsídios técnicos para que suas criações possam ser executadas.

Seguir esses passos, certamente vai te poupar de MUITAS dores de cabeça. Mais uma vez ressalto que as “surpresas” de obras são menos comuns à medida que você se torna mais experiente. Saber cercar os possíveis problemas e identificar o que chamamos “gargalos de obra” contribuem para sua imagem como profissional.

Geralmente reformas feitas, principalmente em imóveis mais antigos e de forma não planejada, costumam gerar problemas desagradáveis e onerosos.

Fatos como os que citei nesse texto acabam pondo em cheque o seu profissionalismo, e são pequenos detalhes que contribuem para um projeto de sucesso!

Sei que para que você possa se organizar, documentos e check lists são sempre bem-vindos, por isso, disponibilizei para você o check list que uso para levantamentos em casos de reformas. Tem me ajudado bastante a organizar e não deixar passar nenhum ponto importante.

Para baixar nosso Combo Pedrada (com 4 documentos que usamos em nossa empresa), totalmente grátis, clique aqui!

Caso tenha achado esse conteúdo relevante, me ajude a atingir mais profissionais, que assim que você, sentem falta de informações que te auxiliem de fato a atuar na prática do mercado.

Curta, compartilhe, marque seus amigos!

Inscreva-se em nossa lista VIP e receba essas e outras informações relevantes para sua carreira.

Espero que tenha sido útil para você!! Até a próxima. 🙂

PS.:Se tiver sido, compartilhe com seus amigos e nos ajude a levar cada vez mais arquitetos para o canteiro de obras!

11 Comentários


  1. Obrigada pelas dicas, já fiz o download do checklist! Com certeza vou usar sempre.
    Outra sugestão é fazer uma vista (croqui) da parede onde tem quadro de energia, para posicioná-lo. Em projetos de interiores e marcenaria é fundamental ter o posicionamento e dimensão exata dos quadros de energia, no caso da execução de painéis e/ou armários.

    Responder

    1. Legal Camila! Excelente dica! O quadro de energia é algo de extrema importância que muitas vezes esquecemos de locar no levantamento, o que causa retrabalho e incompatibilidades! Obrigada por nos acompanhar! Rafaella Vieira

      Responder

    1. Muito obrigada pelo feedback! Ficamos muito felizes que seja útil para você! Abraços, Rafaella.

      Responder

  2. Boa noite.
    Trabalho de vocês é muito interessante! E importante !!!! Vou aqui complementar um único ponto , importante tanto para novas obras quanto para reforma: Ponto de fornecimento ou ligação de serviços públicos.

    Quanto for iniciar uma obra em terreno livre, preste bem atenção onde está o PV(visita) de esgoto e água pluvial. Onde está o ponto mais próximo de ligação energia ( poste com transformador) . Tire foto deste transformador e seu número !!! Veja se na região tem aquele armário de aço , é o DG da concessionária de telefone, internet, tv. Assim você vai fazer seu projeto com os pontos de ligação nestas direções, com menores distancias e transtornos de lay out locar Casa de máquinas, casa de bombas, painéis de medição, etc. Já imaginou o custo disto se pensar somente no final da obra.

    Agora reforma de apartamento. Veja onde está os registros de água, energia elétrica e gás!!! Pois serão os primeiros a serem desligados ou ” sempre de olho” . Hoje com as medições individuais , o ramal de alimentação passa pelo apartamento do pavimento inferior. Já pensou se ocorre um vazamento e prejudica o vizinho? se vai fazer uma reforma, feche todos os registros e deixe somente 01 que está totalmente sob seu controle e de preferencia na area de serviço.
    Desligue os disjuntores de circuitos de referencia, deixe somente o principal e área que está trabalhando.
    Evite alterar pontos de esgoto, principalmente proximo de shafts de prumadas, pois o risco ali pode trazer transtornos para todos outros apartamentos abaixo de vocês.Outra coisa : vej ade onde está chegando telefone, internet e tv a cabo. se cortar uma prumada ou entrada, vai dar grande trabalha para ligar para empresa vir ligar.

    Quer uma dica de organização e canteiro para fazer obra de reforma em apartamento??? Escolha 01 quarto para canteiro, vá lá faça a reforma básica nele até contrapiso e forro simples. e coloque organize tudo lá, faça prateleiras metálicas desmontáveis e um mesa com dobradiça que serve de prancheta de trabalho. Nunca use banheiro, pois é muito apertado,não cabe nada, tem muito serviço a ser feito e aí vai ficando para trás, vai atrasar a obra.

    abs a todos

    Responder

  3. Excelente material. Uso-o na minha aula de Prática profissional aqui no IFRN.
    Indico aos meus educandos a explorarem o site após leitura e debate deste texto.

    Parabéns pelo trabalho!

    Responder

    1. Que bacana Ricardo! Ficamos muito felizes com um feedback desses! Esperamos conseguir contribuir ainda mais com o seu conteúdo para seus alunos! Grande abraço, Rafaella

      Responder

  4. Olá pessoal!
    As assinaturas e solicitações via o “link” QUERO AGORA, não está funcionando – está emitindo erro…

    Responder

  5. Oi Rafaella! Passando só pra elogiar o trabalho de vocês, muito bom! Sou formada em arquitetura e estou retomando as atividades. O blog de vocês está me ajudando bastante, com certeza vou indicar para outros colegas!
    Abs

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *